Novas tecnologias fornecem uma gama de capacidades e são fundamentais para a habilitação da infraestrutura definida por software


NOTÍCIAS EM DESTAQUE:

  • Novos recursos de monitoramento e gestão visam à implantação rápida e automatizada das cargas de trabalho, o aumento da eficiência e a melhoria da qualidade do serviço.
  • Fornece liderança em desempenho para cargas de trabalho computacionais, de armazenamento e rede para habilitar a operação eficiente e dinâmica em ambientes em nuvem.
  • Vinte e sete novos recordes mundiais de desempenho¹, com melhorias de até 3 vezes em comparação com a geração anterior².
  • Até 50% mais núcleos e cache³ do que a geração anterior, e a primeira plataforma da história com suporte para memória DDR4 para melhor desempenho de aplicativos.


SANTA CLARA, Califórnia, 8 de setembro de 2014 – A Intel Corporation apresentou hoje as famílias de produtos do processador Intel® Xeon® E5-2600/1600 v3 para atender os requisitos de diversas cargas de trabalho e da rápida evolução das necessidades dos data centers. As novas famílias do processador incluem inúmeras melhorias que fornecem um aumento de desempenho de até três vezes em relação à geração anterior², eficiência no consumo de energia de classe mundial e maior segurança. Para facilitar a explosiva demanda por infraestrutura definida por software (SDI, na sigla em inglês), os processadores expõem métricas-chave, por meio da telemetria, para possibilitar que a infraestrutura forneça serviços com o melhor desempenho, flexibilidade e otimização do custo total de propriedade.

            Os processadores serão usados em servidores, workstations, armazenamento e infraestrutura de rede para equipar um amplo conjunto de cargas de trabalho, como análises, computação de alto desempenho, telecomunicações e serviços baseados na nuvem, bem como processamento back-end para a Internet das Coisas.

            “Essa economia de serviços digitais impõe novos requisitos para o data center, requisitos para o fornecimento de serviços automatizados, dinâmicos e escaláveis”, disse Diane Bryant, vice-presidente sênior e gerente geral do Grupo para o Data Center da Intel. “Nossos novos processadores Intel fornecem desempenho, eficiência no consumo de energia e segurança inigualáveis, além de fornecer visibilidade para os recursos de hardware necessários para habilitar a infraestrutura definida por software. Ao habilitar a re-arquitetura do data center, a Intel está ajudando as empresas a explorarem totalmente os benefícios dos serviços baseados na nuvem”.

Habilitando a infraestrutura definida por software

            A infraestrutura definida por software (SDI) é a base para a computação em nuvem. A economia de serviços digitais requer agilidade e escala, o que exige que todos os recursos de infraestrutura sejam programáveis e altamente configuráveis. Essas habilidades, juntamente como a telemetria, a análise e as ações automatizadas, permitem que o data center se torne altamente otimizado. A Intel continua investindo na concretização dessa visão de um data center automatizado e, com a nova família de produtos Xeon E5-2600 v3, a empresa apresentou os sensores e a telemetria fundamentais para melhorar ainda mais a SDI.

            A família de produtos do processador Intel Xeon E5-2600 v3 apresenta novos recursos que fornecem maior visibilidade para o sistema do que anteriormente. Um novo recurso para o monitoramento do cache fornece dados para permitir que as ferramentas de orquestração localizem e reequilibrem as cargas de trabalho, o que resulta em tempos de conclusão mais rápidos. Isto também fornece a habilidade para a realização de análises de anomalias de desempenho devido à competição por cache em um ambiente de nuvem muito carregado, onde há pouca visibilidade para as cargas de trabalho que os consumidores estão usando.

            Os novos processadores também contam com sensores de telemetria da plataforma e números da CPU, memória e utilização I/O. Com a inclusão de sensores de temperatura adicionais para o fluxo de ar e de energia, a visibilidade e o controle aumentaram significativamente em relação à geração anterior. Os processadores oferecem um conjunto holístico de sensores e telemetria para qualquer solução de orquestração SDI para monitorar, gerenciar e controlar mais de perto a utilização do sistema a fim de maximizar a eficiência do data center para um menor custo total de propriedade.

Maior desempenho e eficiência no consumo de energia

            Com até 18 núcleos por soquete e 45MB de cache no último nível, a família de produtos Intel Xeon E5-2600 v3 fornece até 50% mais núcleos e cache do que os processadores da geração anterior. Além disso, uma extensão da Intel® Advanced Vector Extensions (Intel AVX2)4 dobra a largura das instruções vetoriais inteiras para 256 bits por ciclo de clock para cargas de trabalho sensíveis e fornece um ganho de desempenho de até 1,9 vezes.5

            A família de produtos Xeon E5-2600 v3 também aumenta a densidade da virtualização, permitindo suporte para até 70% mais VMs por servidor em comparação com a geração anterior de processadores6, o que ajuda a reduzir as despesas operacionais dos data centers. As cargas de trabalho sensíveis à largura de banda da memória terão um ganho de desempenho de 1,4 vezes em comparação com a geração anterior7, com suporte para a memória DDR4 de próxima geração. As Intel Advanced Encryption Standard New Instructions (Intel® AES-NI) também foram melhoradas para acelerar a criptografia e descriptografia de dados em até duas vezes sem sacrificar os tempos de resposta dos aplicativos.8

             Os processadores são fabricados com a utilização da tecnologia líder da indústria e eficiente no consumo de energia de 22nm, 3-D Tri-Gate, reduzindo o consumo de energia ao mesmo tempo em que melhora o desempenho dos transistores. O novo estado de consumo “por núcleo” regula e ajusta o consumo dinamicamente em cada núcleo do processador para o processamento mais eficiente das cargas de trabalho.

            Combinando os recordes de desempenho com os avançados recursos de eficiência, a família de produtos do processador Intel Xeon E5-2600 v3 estabeleceu um novo recorde mundial para a eficiência no consumo de energia de servidores9 com base no desempenho por watt.

Criando redes abertas e flexíveis com os processadores Intel Xeon E5-2600 v3

            Os processadores Intel Xeon E5-2600 v3 podem ser pareados com o Intel® Communicatons Chipset 89xx series equipado com a Tecnologia Intel® Quick Assist para habilitar um desempenho mais rápido para criptografia e compressão10 a fim de melhorar a segurança em uma ampla gama de cargas de trabalho. Os provedores de serviços e fornecedores de equipamentos de redes podem usar a plataforma para consolidar múltiplas cargas de trabalho de comunicações em uma única arquitetura padronizada e flexível a fim de acelerar a implantação de recursos, reduzir custos e criar uma experiência de usuário mais consistente e segura.

            Além disso, a nova família Intel® Ethernet Controller XL710 ajuda a atender a crescente demanda por redes com capacidades para habilitar um melhor desempenho para servidores e redes virtualizados.  O flexível Ethernet controller 10/40 gigabit fornece o dobro da largura de banda ao mesmo tempo em que consome metade da energia da geração anterior.11

Amplo suporte da indústria

A partir de hoje, fabricantes de sistemas de todo o mundo deverão anunciar centenas de plataformas baseadas na família do processador Inte® Xeon® E5 v3. Esses fabricantes de servidores e soluções para armazenamento e redes incluem Bull*, Cray*, Cisco*, Dell*, Fujitsu*, Hitachi*, HP*, Huawei*, IBM*, Inspur*, Lenovo*, NEC*, Oracle*, Quanta*, Radisys*, SGI*, Sugon* e Supermicro*, entre outros.

Detalhes dos Preços

A família de produtos do processador Intel Xeon E5-2600 v3 será oferecida com 26 peças diferentes, com os preços variando entre US$ 213 e US$ 2702 por peça para lotes com 1000 unidades. As Workstations do processador Intel Xeon E5-1600 serão oferecidas com 6 peças diferentes, com os preços variando entre US$ 295 3 US$ 1723. Os detalhes completos dos preços podem ser encontrados na Sala de Imprensa da Intel. Para mais detalhes sobre esses novos processadores Intel Xeon, visite www.intel.com/xeon. Para mais detalhes sobre os recordes mundiais e outras alegações, visite www.intel.com/performence/server/.

Novo Core possibilita designs finos e sem ventoinhas para tablets com a melhor combinação de beleza, desempenho e duração de bateria; disponível no final de 2014 nos Estados Unidos e Europa

NOTÍCIAS EM DESTAQUE:

  • Acer*, ASUS*, Dell*, HP*, Lenovo* e Toshiba* lançam novos 2-em-1s baseados no novo Intel Core M. Alguns sistemas estarão disponíveis a partir de outubro.
  • O processador Intel Core M fornece desempenho e duração de bateria extraordinários para os mais finos dispositivos 2-em-1 sem ventoinhas.
  •   Com consumo de apenas 4.5 watts, este é o processador Intel Core mais eficiente no consumo de energia na história da empresa0


IFA, Berlim, Alemanha, 5 de setembro de 2014 – Na IFA, o evento global do comércio para eletrônicos de consumo e eletrodomésticos, a Intel lançou o novo processador Intel® Core M, que equipará os novos dispositivos 2-em-1 de diversos fabricantes, incluindo: Acer*, ASUS*, Dell*, HP*, Lenovo* e Toshiba*. Fornecendo a melhor combinação de mobilidade e desempenho, o novo processador da Intel foi fabricado com o propósito específico de fornecer um incrível desempenho nos mais finos dispositivos ultramóveis sem ventoinhas. O processador pode equipar dispositivos finos como uma navalha, com o nível de desempenho do Intel Core e fornecer até o dobro da duração de bateria em comparação com um sistema com quatro anos de uso¹.

            “Estamos em uma missão plurianual para atender os requisitos do usuário final e transformar a computação móvel. O lançamento do Core M representa um marco significativo nesta jornada”, disse Kirk Skaugen, vice-presidente sênior e gerente geral de computação pessoal da Intel Corporation. “O Core M é o primeiro de uma nova família de produtos projetada cumprir a promessa de fornecer os mais finos notebooks e os tablets de melhor desempenho do mundo em um único dispositivo 2-em-1”.

Desempenho mais rápido e duração de bateria ainda maior

            O Intel Core M possibilita desempenho computacional (50%) e desempenho gráfico (40%) mais rápidos em relação à quarta geração do processador Core². Os consumidores com PCs mais antigos notarão uma melhoria significativa no desempenho. O processador fornece até duas vezes o desempenho computacional e até sete vezes o desempeno gráfico em comparação com um PC com quatro anos de uso, por exemplo¹.

            Em 2013, a Intel forneceu a maior melhoria entre gerações em termos de duração de bateria na história da empresa. O processador Intel Core M e as reduções de consumo da plataforma aumentam ainda mais o parâmetro de comparação para a duração da bateria. O Intel Core M pode reproduzir mais de oito horas de vídeo; 20% (1,7 horas) a mais do que a geração anterior³ e o dobro da duração de bateria de um PC com quatro anos de uso.

2-em-1s finos e sem ventoinhas disponíveis no final de 2014... e além

            O pacote do processador Intel Core M é 50% menor e, com 4.5 watts, possui um TDP 60% menor do que o da geração anterior4. Isto permite que os fabricantes projetem sistemas elegantes e sem ventoinhas com menos de 9mm de espessura – mais finos do que um pilha AAA e do que os mais finos notebooks atuais. Já existem mais de 20 produtos baseados no processador Core M em desenvolvimento. Os primeiros sistemas baseados no processador Intel Core M estarão nas prateleiras para a temporada de compras de final de ano.

            Na IFA, fabricantes que incluem Acer, ASUS, Dell, HP e Lenovo revelaram novos dispositivos, bem como outros que serão lançados em breve, baseados no processador Core M de diversos tamanhos, estilos e preços.

  • No quarto trimestre de 2014, a Acer ampliará a sua popular linha de notebooks 2-em-1s com o Aspire Switch 12, equipado com uma tela FHD de 12,5 polegadas com um kickstand único e um teclado magnético para trocar rapidamente entre seus 5 modos.
  • A ASUS apresentou o ASUS Zenbook UX305, um Ultrabook incrivelmente fino e leve com uma tela QHD de 13 polegadas e o 2-em-1 ASUS Transformer Book T300FA, revelado durante o discurso da Intel. O Transformer Book T300FA é um 2-em-1 de alto desempenho que deverá estar disponível para venda na Europa a partir de setembro por €599. Para o futuro, a ASUS planeja criar produtos ainda mais finos com o ASUS Transformer T300 Chi.
  • A Dell anunciou seu primeiro 2-em-1 corporativo, o Latitude 13 7000 Series, que combina um leve Ultrabook com um tablet destacável e um poderoso dispositivo com todos os recursos.
  • A HP amplia ainda mais a sua premiada linha ENVY com a inclusão de dois novos PCs destacáveis HP ENVY x2, disponíveis com 13,3 polegadas e 15,6 polegadas.
  • O novo Lenovo ThinkPad Helix, disponível em outubro, é 12% mais leve e 15% mais fino do que seu antecessor, com ainda mais potência graças ao processador Intel® Core M.

A Intel também forneceu uma prévia do seu próximo design baseado no processador Core M da Toshiba e disse que a maior disponibilidade dos dispositivos baseados no Core M é esperada para o primeiro semestre de 2015. Para ampliar ainda mais as opções e a disponibilidade, a Intel disse estar trabalhando com diversos ODMs, incluindo a Winstron* e outros. A Winstron planeja um design Core M inspirado no design de referência “Llama Mountain” da Intel. A Intel revelou pela primeira vez esse incrível design sem ventoinhas baseado no design de referência Llama Mountain, com apenas 7,2mm de espessura e pesando 670 gramas, na Computex em Taiwan no começo deste ano.

Um processador “livre de conflitos” e recursos adicionais

            O Intel Core M não contém minerais de conflito (estanho, tântalo, tungstênio e/ou ouro) que direta ou indiretamente financiam ou beneficiam grupos armados na República Democrática do Congo (RDC) ou países vizinhos.

             O processador está disponível em diversas versões: os processadores Intel Core M-5Y10/5Y10a de até 2.0 GHz e o processador Intel Core M-5Y70 de até 2.6 GHz. O Core M-5Y70 é o processador Core M de mais alto desempenho e também está disponível com a tecnologia Intel vPro para 2-em-1s corporativos com recursos de segurança embarcados para ajudar a proteger os dados, a identidade do usuário e o acesso à rede5.

            Recursos adicionais da plataforma Core M incluem suporte para áudio de alta qualidade, a Intel® Wireless Display 5.0, a segunda geração de produtos 802.11ac da Intel e evoluirá para fornecer suporte à docas sem fios com a WiGig da Intel. Para mais informações visite: www.intel.com.


O software e as cargas de trabalho usadas nos testes de desempenho podem ter sido otimizados para desempenho apenas nos microprocessadores da Intel. Testes de desempenho, como SYSmark e MobileMark, são realizados usando sistemas, componentes, software e funções específicos. Qualquer mudança em quaisquer desses fatores pode resultar em variações nos resultados. Você deve consultar outras fontes de informações e testes de desempenho para ajudá-lo a avaliar plenamente as suas compras em vista, incluindo o desempenho desse produto quando combinado com outros produtos. Outros nomes e marcas são propriedades de outros.

Os resultados foram estimados com base nas análises internas da Intel e são fornecidos apenas com propósitos informativos. Qualquer diferença no hardware, software ou configuração do sistema pode afetar os resultados reais.

Intel e o logo da Intel são marcas registradas da Intel Corporation ou de suas subsidiárias nos Estados Unidos e em outros países.

* Outros nomes e marcas são propriedades de outros. 

0 Eficiência no consumo de energia baseada nas estimativas da Intel com o SPEC CPU2006 tanto para desempenho, quanto para consumo de núcleo. Comparação feita com a geração anterior da Intel de CPUs da família de processadores Intel Core.

1 Processador Intel® Core™ M (até 2.60GHz, 4T/2C, 4M Cache), VS. Normalizado para um PC com 4 anos de uso com o Intel® Core™ i5-520UM. Desempenho baseado no SYSmark* 2014. Intel® Core™ M5Y70 comparado ao Intel® Core™ i5-520UM. Peso baseado no 2-em-1 baseados no processador Intel® Core™ M no Intel ® FFRD Llama Mountain. O PC antigo é um notebook de OEM com o Intel® Core™ i5-520UM e uma bateria de 62WHr, peso de 3 lbs e 1,1 polegada de espessura.

2 Até 50% mais rápido em relação à 4ª geração dos processadores Intel Core com base no: Specfp_rate_base 2006 comparando o Processador Intel® Core™ M-5Y70 com a. 4302Y Geração Anterior do Intel® Core™ i5-4302Y com 4.5W. Gráficos até 40% mais rápidos em relação à 4ª geração dos processadores Intel Core com base no: 3D Mark Ice Storm comparando o Processador Intel® Core™ M-5Y70 com Intel HD Graphics 5300 coma Geração Anterior do Processador Intel® Core™ i5- 4302Y com 4.5W e HD Graphics 4200.

3 Duração da bateria do Intel Core M testada em comparação com a 4ª geração das plataformas baseadas no processador Intel® Core™ - tela de 11.6”, 19 x 10; 200 nits; 35WHr, SSD; memória de 4GB. Duração da bateria para a Reprodução Local de Vídeo Full HD medida usando o vídeo Tears of Stell 1080p 10 Mbps. Configuração: Na configuração do dispositivo, todos os rádios desabilitados. Desabilitar a Intel® Display Power Saving Technology (Intel® DPST), configurar o sistema pata brilho específico da tela usando um fundo de tela totalmente branco, e reabilitando a Intel DPST. Desligar a configuração de brilho adaptativo nas Opções de Consumo de Painel de Controle. Escolher “Dim the display” para nunca usar CA e bateria. Escolher “Colocar o computador para dormir” para nunca usar CA e bateria. Esperar 15 minutos após a inicialização. Lançar o reprodutor de vídeo padrão (Windows* 8.1 Style UI vídeo player for win), iniciar a carga de trabalho de vídeo em loop, e desconectar o plug CA para iniciar o teste. Medir o tempo até que a bateria acabe.

4 4ª Geração do Processador Intel® Core™ (40 x 24 x 1.5mm; 960 mm) VS. Processador Intel® Core™ M (30 x 16,5 x 1.05mm, 495mm; 4.5W)

5 Nenhum sistema computacional pode fornecer segurança absoluta. Requer um processador Intel, chipset habilitado, firmware e/ou software otimizado para usar as tecnologias. Consulte o fabricante do seu sistema e/ou fornecedor de software para mais informações.

Além de eliminar “minerais de conflito” de sua produção, a Intel trabalha para estimular a ampla adoção dessa prática pela indústria

São Paulo, 05 de setembro de 2014 – É uma realidade que desde muito tempo existe a extração ilegal de recursos naturais de países menos desenvolvidos. Os chamados “minerais de conflito”, como o ouro, o cobalto e o cobre são explorados principalmente na República Democrática do Congo, onde ocorre violência, genocídio e outros crimes contra a humanidade. O que não é de conhecimento geral é que esses minerais são componentes essenciais para a indústria eletrônica e na fabricação de dispositivos que a maioria das pessoas não vive sem, como celulares, vídeo games, computadores e tablets.

Os principais beneficiados com a extração dos minérios são os grupos armados, que fazem negócios com companhias multinacionais e usam os rendimentos para alimentar guerras civis, o trabalho escravo e o medo da população, sendo o conflito no leste do Congo o que mais matou desde a Segunda Guerra Mundial. Além de explorarem os recursos naturais do país para além do nível considerado sustentável, existe a violação dos direitos humanos, trabalho infantil, estupros, tortura e recrutamento de soldados infantis para lutar em suas fileiras.

Com o boom dos dispositivos móveis, esse cenário foi mais constante principalmente no período entre 1996 e 2009. Somente em 2010 foi aprovada uma lei pelo Congresso Norte-americano para ajudar a acabar com a prolongada guerra civil na República Democrática do Congo.

Como referência em responsabilidade corporativa e sustentabilidade, a Intel está liderando esforços para eliminar os minerais de conflitos da sua cadeia de abastecimento. Desde 2008, a Intel co-presidiu a EICC e o Extractives Working Group da GeSI, que lidera a criação da Conflict Free Sourcing Initiative (CFSI), um iniciativa conjunta de mais de 120 empresas de sete diferentes setores. A CFSI fornece ferramentas e recursos que suportam o abastecimento responsável de minerais, incluindo a auditoria de validação de fundições da CFSP.

            Em 2009, a empresa liderou a primeira reunião da cadeia de fornecimento da indústria de eletrônicos para o estanho em Vancouver, Canadá. Desde então, patrocina uma “reunião de chamada para a ação” em São Francisco; um encontro sobre o tântalo em suas instalações de Chandler, Arizona; uma reunião com a indústria do ouro em Denver, Colorado; e um encontro multissetorial na Filadélfia, Pensilvânia. Além disso, a EICC, a GeSI e a CFSI sediaram oficinas para a cadeia de fornecimento de minerais de conflito para educar sobre o tema.

 

Liderando rumo à indústria livre de conflitos

Em janeiro de 2014 a Intel anunciou os primeiros microprocessadores fabricados com matéria prima livre de conflito no mundo, representando um grande passo no processo contra as milícias armadas e os grupos rebeldes que exploram trabalhadores no Congo.

“Há alguns anos a Intel está comprometida a dispor de uma cadeia de fornecimento completa para enfrentar o uso desses minerais de conflito na fabricação de seus produtos. A simples proibição dos minerais provenientes da RDC não era a resposta, já que privaria a sua população de uma de suas poucas fontes de renda. Ao invés disso, a Intel desenvolveu e implantou sistemas e processos para garantir que o ouro, o tântalo, o estanho e a tungstênio utilizado em nossos produtos não estejam apoiando de forma inadvertida os conflitos na RDC”, disse Rosangela Melatto, Gerente de Responsabilidade Corporativa da Intel para a América Latina.

Além do compromisso de não colaborar com essa prática a Intel também co-presidiu grupos de trabalho da indústria no tema dos metais de conflito, reconhecendo que o amplo esforço colaborativo é necessário para resolver este problema que afeta a todos. Além de um chamado para o setor de eletrônicos, a empresa encabeçou uma ação para toda a indústria – chamando o setor de joias, automóveis, instrumentação médica e outros fabricantes para adotar o sistema e eliminar os metais de conflitos de suas cadeias de fornecimento e, por fim, de seus produtos.

            “A Intel acredita que uma solução eficaz para o complexo problema dos minerais de conflitos requer esforços coordenados do governo, da indústria e das organizações não governamentais (ONGs).”, complementou Rosangela. “Estamos comprometidos a concentrar energias e esforços em implantar sistemas e medidas que permitirão assegurar de forma razoável, que os produtos e componentes fornecidos sejam livres dos conflitos da República Democrática do Congo (RDC).” afirma.

  Como uma maneira de auditar os aliados da indústria, a Intel lidera o sistema de verificação de fundições, onde o mineral bruto é refinado. Até hoje, a Intel visitou mais de 86 fundições em 21 países para educar sobre os minerais de conflito e estimular a participação no Programa de Fundições Livres de Conflitos e outras auditorias de validação de fundições independentes, de terceiros. A empresa visitou Bolívia, Canadá, Chile, China, Alemanha, Hong Kong, Indonésia, Japão, Malásia, Noruega, Peru, Polônia, África do Sul, Coreia do Sul, Suíça, Taiwan, Tailândia e Estados Unidos.

A computação pessoal comemora mais de três décadas na era da mobilidade total, são notebooks, Ultrabooks, 2 em1, tablets, NUCs, smartphones e muitos outros os modelos disponíveis para se conectar a qualquer hora e lugar

 

Desktop, notebook, ultrabook, 2 em 1, NUCs, tablets, smartphone, Internet das Coisas são algumas das palavras que ganham cada vez mais destaque e presença em nosso dia a dia. A nova Era nos fez dependentes de tantos dispositivos? Para muitos, o jovem adulto que completa 33 anos este mês, também conhecido como PC ou computador pessoal, modificou nossa vida desde seu surgimento. Tem gente que dorme, acorda, come, assiste TV, e até toma banho conectado, postando nas redes sociais ou checando o que os amigos, família, estão fazendo naquele exato momento.  

 

Antes da chegada do computador, para se comunicar com um amigo ou parente, que fosse morador de outro bairro, marcava-se um encontro, ou enviava-se uma carta, que demoraria alguns dias para chegar. Hoje, seu amigo pode estar no Japão, por exemplo, que, superando o fuso horário, pode-se falar em tempo real.

 

A realidade é que o computador trouxe uma série de benefícios para a rotina de todos, sejam crianças, adultos ou idosos. Graças aos “cérebros eletrônicos”, que executam rapidamente tarefas que antes demandavam tempo, esforço e pessoas envolvidas, um dispositivo na mão pode resolver diversos problemas e criar soluções em alguns minutos. Por trás deste novo “cérebro” está o processador; e o primeiro foi o 8088 da Intel. Hoje, poderíamos considerá-lo o tataravô da Família de Processadores Intel Core. 

 

Em termos de desempenho, no entanto, a evolução de lá para cá tem sido mais drástica. O modelo de processador mais recente da Intel, o Intel Core i7, apresenta performance 800 vezes melhor que o PC original lançado pela IBM em 1981, e em relação ao tamanho, é 136 vezes menor.

 

“Durante as últimas três décadas a tecnologia teve sem dúvida uma grande influência em nossa maneira de viver e de nos relacionarmos. Através desses anos a Microsoft tem contribuído com a evolução da computação por meio de suas soluções, desde a criação do sistema operacional Windows até os serviços que hoje em dia permitem maior produtividade e mobilidade, focadas tanto para empresas como para o consumidor. A Microsoft seguirá sempre comprometida com o desenvolvimento de novas tecnologias que se integrem em nossas vidas e nos permitam realizar as tarefas com mais facilidade, assim como uma sincronia entre nossa vida pessoal e profissional”, destaca Eduardo Campos de Oliveira, Gerente de Marketing do Windows para a America Latina.

 

Muitos dispositivos por pessoa

 

O fato é que para a atual geração, quem não tem nenhum dispositivo, sonha com o primeiro; se já tem um, quer o segundo; quem tem o segundo, parte para o terceiro; e assim, o computador – estático ou portátil – passa a ser peça de decoração, educador das crianças, passatempo dos adultos, suporte aos idosos, entre tantas outras funções.

 

O mundo conectado por conta da tecnologia e do PC faz com que todos queiram estar sempre munidos de algum dispositivo que dará acesso à rede. Números apontam que em apenas um ano alcançaremos a marca de 15 bilhões de dispositivos conectados em todo o mundo, o que significa mais de dois aparelhos por pessoa no planeta. Seguindo este passo, estima-se que até 2025 serão 50 bilhões de dispositivos conectados à internet global, sendo que 2 bilhões deles estarão aqui no Brasil.

 

Uma pesquisa da Intel em parceria com a Ipsos* mostrou que de cada 10 consumidores entrevistados no Brasil, seis devem comprar um PC (desktop, notebook, ultrabook, all-in-one ou 2-in-1) nos próximos seis meses, sendo que nove em cada 10 quer um dispositivo novo. Dos entrevistados, 60% dos que pretendem comprar um desktop irão usá-lo para trabalho, enquanto que 37% dos que investirão em um tablet querem aproveitá-lo para os estudos.

A intenção de compra para seu próximo dispositivo

 

O notebook e desktop ainda despontam na preferência de quem não tem um dispositivo, enquanto que tablets e smartphones aparecem logo na sequência da lista. Ou seja, um acaba não substituindo o outro, e sim complementando tarefas e funções.

 

À medida que vão sendo usados, aparecem demandas para que o dispositivo seja mais potente, ou então mais leves e fáceis de carregar de um lado ao outro, e por aí vão surgindo novas necessidades para futuras compras. O ticket médio gasto pelos consumidores entrevistados no Brasil é de R$ 1.130,16 para um desktop e R$ 1.391,12 para um notebook, de acordo com números da pesquisa da Intel e da Ipsos.

 

O levantamento mostrou que na hora da compra, a marca e o processador do equipamento influenciam muito na escolha dos consumidores pesquisados – Enquanto pesquisam sobre o melhor Desktop para adquirir, 45% dos brasileiros entrevistados analisam detalhes destes quesitos. Para os que optaram por 2 em 1 ou tablets, estas características são levadas em conta por 39% e 33% respectivamente.

 

O mesmo estudo tentou entender melhor o porquê e para que as pessoas querem seu primeiro, seu segundo ou mesmo seu terceiro dispositivo computacional - ou seja, quais tarefas que eles mais querem melhorar no seu dia a dia de consumidor. Entre os entrevistados que estão planejando a compra de um Desktop, 60% consideram o device importante para o trabalho e para serem mais produtivos. Outros 56% dos entrevistados que estão de olho num Ultrabook também o consideram importante por esse motivo. 

 

Já os dispositivos mais leves como o tablet e os 2 em 1 figuram mais na pesquisa entre as possibilidades de um dispositivo que facilite o dia e dia e que ajude nos estudos. No caso do tablet, 38% dos brasileiros entrevistados o consideram importante por tornar a vida mais fácil, enquanto que 37% acredita que o equipamento irá ajudar nos estudos. Já o 2 em 1 tem a preferência (42%) entre os que desejam aprimorar os estudos, aumentar a produtividade do trabalho (42%), e entre os que desejam tornar a vida mais fácil (39%).

 

Podemos afirmar que é um caminho sem volta, mas sabendo aproveitar da melhor forma, a tecnologia tende a facilitar cada vez mais a vida do ser humano. E que venham as novidades do futuro. Sejam elas tão emocionantes como deve ter sido aos olhos dos que viram os primeiros PCs, há 33.

 

*A pesquisa da Intel em parceria com a Ipsos é baseada nos resultados de uma pesquisa online, no decorrer do mês de Abril, com uma amostra de 1003 consumidores brasileiros que recentemente adquiriram um dispositivo, ou que estão planejando realizar a compra em breve.

A companhia diversifica seu portfólio 2015 com destaque para o lançamento do destacável Positivo Duo ZX 3000, primeiro 2 em 1 da marca Positivo, que pode
ser usado como notebook ou tablet para produtividade e entretenimento


São Paulo, 28 de agosto de 2014 – A Positivo Informática anuncia novos equipamentos que compõem o portfólio 2015 e vêm com processadores Intel. O destaque é o novo Positivo Duo ZX 3000, que marca a entrada da companhia no mercado de dispositivos 2 em 1, que alternam as funções de notebook e de tablet ao destacar a tela sensível ao toque de 10,1 polegadas. Por essa razão, o equipamento multimodos é indicado tanto para gerar mais produtividade como para propiciar momentos de entretenimento.

“Estamos muito entusiasmados por apresentar um dispositivo tão completo, que conta com tudo o que o consumidor precisa: é um notebook e um tablet em um único equipamento, dependendo da necessidade do usuário no momento. Visamos desenvolver equipamentos como este, que entreguem um design refinado, combinado a uma ótima capacidade de processamento, sem deixar de lado a preocupação de garantir um excelente custo-benefício. Nos orgulhamos porque a marca Positivo faz parte da vida dos brasileiros há 25 anos, e nosso objetivo é continuar presente em todos os momentos, seja quando estão trabalhando ou na hora do lazer, com os amigos e a família. Podemos garantir que a diversidade e o dinamismo de nosso portfólio tornam isso possível”, destaca Maurício Roorda, vice-presidente de Marketing e Produto da Positivo Informática.

“A tendência de crescimento que observamos para os 2 em 1 nos mostra que o mercado está aberto para receber produtos inovadores. E é isso que este lançamento traz, inovação no modelo de uso, versatilidade e um posicionamento muito competitivo, combinando desempenho com um preço atrativo”, comenta David González, diretor geral da Intel  para o Brasil. “Estamos muito honrados por reforçar ainda mais nossa parceria com Positivo, trazendo novas tecnologias para o consumidor brasileiro através de um importante fabricante local”, complementa.

O novo notebook da linha Positivo Duo, o modelo 2 em 1 ZX 3000, chega ao mercado em novembro para atender aos usuários que valorizam a mobilidade, facilmente transportável por ser leve e fino. No modo notebook,  garante maior produtividade com o uso do teclado em português e touchpad, além de acesso a uma porta USB convencional para conectar pendrives, HDs externos, impressoras ou qualquer outro dispositivo USB. Se destacado, se transforma em um tablet com mais portabilidade para o entretenimento. Com acabamento em prata e tela HD sensível ao toque de 10,1 polegadas, o Positivo Duo ZX 3000 vem com processador Intel® Atom™ Z3735G (Quad-Core), sistema operacional Windows 8.1, armazenamento de 16GB, 1GB de memória RAM, conectividade Wi-Fi b/g/n e Bluetooth 4.0 LE, duas câmeras, sendo que a traseira é de 2 megapixels, e porta micro HDMI, que possibilita interagir na TV com imagens de alta definição e áudio digital. O preço sugerido para o modelo é R$ 999. 

Complementa a linha Positivo Duo o recém-lançado conversível Positivo Duo ZK 3010, disponível no varejo desde julho. Com tela sensível ao toque de 10,1 polegadas rotacional de até 300º, o equipamento multimodos vem com acabamento externo preto e interno na cor chumbo. Focado em garantir conforto e desempenho para trabalhar e estudar, conta com teclado e touchpad físicos, processador Intel® Celeron™ N2806 (Dual-Core), sistema operacional Windows 8.1, 500GB de HD, 2GB de memória RAM e conectividade com Wi-Fi b/g/n e Bluetooth 4.0 LE. Acompanha ainda pacote de aplicativos Microsoft Office gratuito – com Excel, Word e Powerpoint –, pelo preço sugerido de R$ 1.199 para venda nas principais redes de varejo do país.

A companhia também apresenta a evolução de seu tablet de 7,85 polegadas, o Positivo Mini Quad, que passa a contar com processador Intel® Atom™ Z3735E (Quad-Core) e câmera traseira de 5 megapixels. Com design diferenciado, conta com acabamento branco e prata. O dispositivo com tela de 7,85 polegadas IPS, com qualidade e ângulo de visão superiores, evoluiu e agora passa a contar com processsador Intel Intel® Atom™, que garante ainda mais desempenho. O modelo vem com sistema operacional Android 4.2 e teclado customizados para o português, armazenamento de 8GB com entrada micro SD que permite a expansão para até 32GB, conectividade Wi-Fi b/g/n e Bluetooth 4.0, portas micro USB e mini HDMI, além de câmeras traseira de 5 megapixel e frontal VGA. Com licenciamento e parceira oficial do Google, o Mini Quad apresenta todos os conteúdos e serviços, incluindo a Google Play, com mais de 1 milhão de aplicativos disponíveis para download. Os mais procurados já vêm embarcados, entre eles Facebook e Skype. O tablet começa a ser vendido no varejo a partir de setembro pelo preço sugerido de R$ 699, com certificação da Anatel e garantia de um ano.

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS:

Notebook 2 em 1 Positivo Duo ZX 3000

  • Processador: Intel® Atom™ Z3735G (Quad-Core),
  • Sistema operacional: Windows 8.1
  • Tela: 10,1 polegadas sensível ao toque com resolução de 1280 x 800 pixels
  • Armazenamento: 16GB
  • Memória RAM: 1GB
  • Câmera traseira: 2 megapixels
  • Câmera frontal: VGA
  • Conectividade: Wi-Fi e Bluetooth 4.0
  • Portas: USB e micro HDMI

Tablet Positivo Mini Quad

  • Processador: Intel® Atom™ Z3735E (Quad-Core)
  • Sistema operacional: Android 4.2
  • Tela: 7,85 polegadas IPS sensível ao toque com resolução de 1024 x 768 pixels
  • Armazenamento: 8GB (expansível via cartão micro SD)
  • Memória RAM: 1GB
  • Câmera traseira: 5 megapixels
  • Câmera frontal: VGA
  • Conectividade: Wi-Fi e Bluetooth 4.0
  • Portas: Micro USB e mini HDMI

Estudo da McAfee mostra que apps são alvos de clones maliciosos. Segurança embarcada no hardware é nova arma no combate aos ataques

SÃO PAULO, 28 de agosto de 2014 – A avalanche de aplicativos e jogos gratuitos disponíveis para tablets e a adesão em massa de alguns deles, além da falta de segurança dos dispositivos, está contribuindo para a vulnerabilidade desses devices. Um estudo da McAfee aponta que os apps são alvos de clones maliciosos e podem oferecer grandes riscos aos usuários. Intel alerta para a necessidade de softwares de proteção integrados aos dispositivos.

            Os relatórios feitos pelo McAfee Labs apontaram um aumento súbito do malware (software malicioso) móvel. Um dos estudos mostra que o Flappy Bird, um jogo lançado no início de 2013, trouxe uma avalanche de ataques maliciosos, mesmo depois de ter sido retirado do mercado. O Flappy Bird teve cerca de 50 milhões de downloads e, pela análise feita pela McAfee em 300 amostras, 238 foram classificadas como mal-intencionadas.

            “Os malwares utilizam esses apps que fazem muito sucesso como ‘isca’ de engenharia social para invadir os dispositivos móveis. A maior parte do malware móvel tenta roubar informações confidenciais”, alerta José Matias Neto, diretor de Suporte Técnico para América Latina da McAfee. “Com isso, eles são capazes de instalar aplicativos adicionais sem permissão do usuário; monitorar mensagens recebidas, registrá-las e salvá-las; permite que aplicativos leiam dados e contatos salvos no dispositivo; entre outras ações que podem trazer riscos para o usuário do tablet”, complementa.

            Outro exemplo foi identificado na loja de aplicativos Google Play, o Android/BadInst.A. O aplicativo instala e inicia outros aplicativos sem permissão do usuário. Com isso, o app obtém o nome da conta Google do usuário do dispositivo e, em seguida, pede ao usuário que autorize seu acesso a vários serviços da Google, conseguindo assim a autorização para a utilização de tokens de forma não oficial e, consequentemente, a licença para o download de outros aplicativos, sem qualquer intervenção do usuário. “Identificamos, portanto, que esse malware pode se aproveitar facilmente desse mecanismo de autorização da conta Google para utilizar as informações dos usuários”, destaca o executivo da McAfee.

Segurança embarcada ganha importância

            A proliferação de ataques maliciosos nos dispositivos móveis está trazendo para tablets e smartphones uma tendência que já era real nos computadores – segurança embarcada diretamente no hardware. Por não depender de software – ou mesmo do sistema operacional – a segurança embarcada diretamente no hardware está protegida em uma camada do sistema que é completamente inacessível aos malwares, não pode ser desativada ou ludibriada, e garante um nível muito maior de proteção de dados.

            “Esse tipo de segurança embarcada auxilia no bloqueio dos malwares, além de fornecerem autenticação segura, protegendo os dados dos usuários. Isso acontece porque o software atua antes mesmo de o sistema operacional iniciar, impedindo assim a ação malwares ocultos”, explica Rodrigo Tamellini, gerente de smartphones e tablets da Intel América Latina. “Essa tecnologia garante a integridade total do sistema, impedindo que o malware se instale e enraíze no dispositivo. Caso contrário, se o malware infecta o sistema do seu tablet, ele permanece invisível até mesmo para os antivírus tradicionais e isso dá a oportunidade de apps maliciosos assumirem o controle do dispositivo, roubando informações confidenciais e se espalhando para outros sistemas”.

            A segurança embarcada chegou aos dispositivos móveis nos equipamentos destinados ao ambiente corporativo, para atender a demandas como o BYOD e facilitar o gerenciamento da segurança de informações corporativas confidenciais. Entretanto, o número crescente de ataques em dispositivos móveis está levando a tecnologia também para os dispositivos voltados ao consumidor – e não apenas nos produtos de alta performance. “Segurança é uma preocupação de todos os usuários, e é especialmente importante para quem está comprando seu primeiro tablet e quer poder fazer uso de todas as características do dispositivo sem medo de ter suas informações pessoais roubadas”, disse Tamellini. “Na avaliação da Intel, a segurança vai se tornar cada vez mais um fator determinante na decisão de compra dos brasileiros, e trazer esse nível de segurança em produtos com preços acessíveis é essencial para que o mercado brasileiro continue crescendo.”

Dicas para manter seu dispositivo livre de ataques:

  • Evite baixar games, bundles ou softwares gratuitos que você não conheça a procedência;
  • Cuidado com conteúdo que exija o download de qualquer coisa antes de fornecer o conteúdo desejado;
  • Use sempre proteção por senha nos dispositivos móveis;
  • Procure acessar somente sites oficiais de confiança para buscar notícias importantes;
  • Cuidado redes WiFi públicas e abertas, elas podem ser bastante inseguras;
  • Não “faça login” nem compartilhe outras informações se você receber uma mensagem, um SMS ou um e-mail que solicita suas informações pessoais;
  • Use uma solução de segurança confiável no seu dispositivo ou, na hora da compra, prefira dispositivos que já venham com a tecnologia embarcada.

Unesp é a única universidade paulista a participar do IPCC, que conta com 40 instituições no mundo.

A Intel selecionou o Núcleo de Computação Científica (NCC) da Unesp como um dos centros integrantes de seu programa "Intel Parallel Computing Centers" (IPCC) [1]. Ao se tornar um IPCC, uma distinção recebida por cerca de outros 40 centros de computação paralela em todo o mundo, o NCC se junta a um seleto grupo de instituições de alto nível, que inclui ETH Zürich, Lawrence Berkeley National Laboratory, Universidades de Stanford e Wisconsin, Georgia Institute of Technology, Centro de Computação Avançada do Texas (TACC), Universidades de Bristol e Edimburgo, entre outras. Os IPCC’s estão focados no desenvolvimento e aprimoramento de software para aumentar o paralelismo e a escalabilidade de aplicações de alto desempenho por meio de técnicas de programação paralela e otimização que buscam aproveitar ao máximo os recursos dos novos processadores e aceleradores com muitos núcleos de processamento.

 

Para a Intel, as inovações recentes da computação massivamente paralela, envolvendo sistemas com processadores multicore, estão abrindo novas oportunidades para o processamento de alto desempenho em diversas áreas do conhecimento. Ao mesmo tempo, a crescente demanda de computação científica requer o uso cada vez mais eficaz de um grande número de núcleos de processamento, através de técnicas de paralelização. Aplicações deverão ser desenvolvidas ou adaptadas para que se torne possível explorar plenamente o desempenho desses novos sistemas. Ao incentivar o avanço de paralelismo, os IPCC’s buscam acelerar descobertas em diferentes áreas da pesquisa científica.

 

“A Intel está investindo fortemente em computação de alto desempenho no Brasil. Os IPCCs são centros voltados para o desenvolvimento de aplicações de ponta e formação de recursos humanos especializados em computação de alto desempenho”, destaca Fernando Martins, Diretor Executivo da Intel Brasil. “São poucas as universidades brasileiras na lista de instituições agraciadas com um IPCC pelo mundo. A UNESP foi escolhida para receber a segunda IPCC no Brasil, o que demonstra não só a excelência da UNESP, mas também a importância do Brasil no uso e desenvolvimento de aplicativos para computação de alto desempenho”, conclui.

 

A disponibilização de recursos de computação de alto desempenho e o suporte aos pesquisadores visando a utilização adequada desses recursos é uma das principais atividades da equipe técnico-científica do NCC/Unesp. Um exemplo típico são os pesquisadores e estudantes do Centro de Pesquisa e Análise de São Paulo (SPRACE), que realizam pesquisas em Física de Altas Energias e usam recursos computacionais e de armazenamento instalados no datacenter do NCC.

 

"A Unesp tem orgulho de ser reconhecida como um Intel Parallel Computing Center e esperamos que este seja apenas o primeiro passo na criação de um instituto voltado à pesquisa para a inovação em associação com setor privado. Um instituto que traduza, em parceria com outras organizações de pesquisa, o conhecimento científico alcançado na pesquisa básica em aplicações práticas inovadoras”, disse o professor Sérgio Novaes, Diretor Científico do NCC/Unesp. Novaes acrescenta que: “o preconceito histórico do meio acadêmico brasileiro em relação ao possível relacionamento harmonioso e construtivo da universidade com o setor industrial precisa ser rompido para alavancar o bem-estar social e o progresso socioeconômico do País."

 

A busca da compreensão da estrutura fundamental da matéria é realizada atualmente com o auxílio de poderosos aceleradores de partículas, como o Large Hadron Collider (LHC) do CERN, o instrumento científico mais sofisticado já construído e que deverá permanecer na vanguarda da investigação nessa área ao menos pelos próximos 20 anos. A pesquisa em Física de Altas Energias requer grande poder de processamento e enorme espaço de armazenamento, tanto para os sistemas de processamento ultrarrápidos durante a fase de aquisição de dados, como para os sistemas usados na etapa de análise dos dados adquiridos e na simulação do comportamento dos detectores de partículas. Para lidar com tais requisitos, a comunidade internacional implantou uma ampla infraestrutura de computação distribuída de forma hierárquica, o Worldwide LHC Computing Grid (WLCG), o qual congrega centros de processamento de dezenas de países em todo o mundo. O NCC/Unesp abriga um desses centros, a T2-BR-SPRACE, considerado um dos centros de processamento mais estáveis e confiáveis de todo o WLCG.

 

Para permitir novos avanços, o acelerador LHC e seus detectores deverão sofrer sucessivas melhorias nos próximos anos visando amplificar o desempenho dos experimentos. Tais atividades aumentarão enormemente a necessidade de poder de processamento e de espaço de armazenamento e deverão exigir a exploração do paralelismo oferecido pelas novas tecnologias e o uso de plataformas com arquiteturas inovadoras. Torna-se então essencial rever toda a estrutura de software e analisar o desempenho das aplicações atualmente usadas na pesquisa para garantir que elas se tornem capazes de explorar ao máximo as novas arquiteturas de hardware.

 

Nesse contexto, a parceria entre a Unesp e a Intel direcionará seus esforços em pesquisa e desenvolvimento buscando transformar uma ferramenta de software amplamente utilizada em diferentes áreas, o Geant4, de modo a adaptá-lo às arquiteturas computacionais modernas. O plano de melhoria de desempenho proposto pela Unesp dentro do programa IPCC inclui o desenvolvimento de ferramentas e métricas necessárias para avaliar o desempenho de aplicações Geant4 multi-tarefa executadas em sistemas com coprocessadores Intel Xeon Phi. Os pesquisadores deverão também trabalhar no desenvolvimento de novas estratégias e algoritmos para permitir que o Geant4 faça uso eficiente de múltiplas threads computacionais. Outras atividades estarão relacionadas com o desenvolvimento do Geant-V, a nova geração do software Geant, que está sendo totalmente redesenhado de modo a explorar o paralelismo inerente das novas arquiteturas de hardware. Em um futuro próximo, a versão multi-threaded do Geant4 e o Geant-V deverão convergir para um código comum.

 

Rogério Iope, Coordenador Técnico do IPCC da Unesp, destacou que "o programa de P&D será desenvolvido em estreita colaboração com pesquisadores do Grupo de Simulações do Fermi National Accelerator Laboratory (Fermilab), os quais têm explorado micro-otimizações no código do Geant4 e estão trabalhando em parceria com engenheiros de software do CERN que estão desenvolvendo o Geant-V".

 

É importante ressaltar que o Geant4, uma ferramenta de software extremamente complexa, não é usada exclusivamente na área de Física de Altas Energias. "O Geant fornece um ambiente poderoso de simulação que pode ser usado para desenvolver técnicas de radioterapia inovadoras, como a próton-terapia, e também para aprimorar as técnicas tradicionais, concentrando a dose nos tumores e reduzindo a exposição dos tecidos saudáveis", disse o Dr. Ney Lemke, Professor de Física Médica da Unesp que vem utilizando essa ferramenta em suas pesquisas. "Esperamos que o IPCC da Unesp dê origem a uma contribuição efetiva para a evolução do modelo de computação usado em Física de Altas Energias - e que vá além disso", disse o Dr. Iope. E ainda afirma que “para contribuir com a comunidade científica brasileira, nossa intenção é realizar anualmente uma oficina para compartilhar a nossa experiência com o uso das ferramentas de desenvolvimento de software paralelo e oferecer treinamentos regulares sobre Programação Paralela utilizando principalmente os processadores Xeon Phi".

 

Sobre SPRACE e GridUNESP

O Centro de Pesquisa e Análise de São Paulo - SPRACE (http://www.sprace.org.br) faz parte da colaboração CMS (Compact Muon Solenoid) do CERN. A experiência adquirida pelo grupo levou à implantação de GridUNESP (http://grid.unesp.br), o primeiro campus-Grid da América Latina, que opera em estreita associação com o Open Science Grid (OSG) dos Estados Unidos. O GridUNESP fornece infraestrutura de computação para quase 60  projetos científicos de uma dúzia de diferentes áreas de pesquisa. O Núcleo de Computação Científica (NCC) da Unesp é responsável pela operação, manutenção e suporte ao usuário dos recursos de computação, armazenamento e rede dos projetos GridUNESP e SPRACE.

 

[1] https://software.intel.com/en-us/ipcc

 

Sobre a Unesp
A Universidade Estadual Paulista está presente em 24 cidades do Estado de São Paulo com 34 faculdades e institutos, onde desenvolve atividades de ensino, pesquisa e extensão em todas as áreas do conhecimento. Fundada em 1976, a instituição oferece 181 cursos de graduação e 123 programas de pós-graduação. Tem 48.283 alunos (35.485 na graduação, 11.804 na pós sctricto sensu), 3.625 professores e 7.257 servidores técnico-administrativos. Possui cerca de 1.900 laboratórios. Oferece cursos pré-vestibulares gratuitos em suas unidades, bem como diversos programas de extensão de serviços à comunidade. Três escolas de ensino técnico são mantidas pela Universidade: o Colégio Técnico Industrial em Bauru, o Colégio Técnico Industrial em Guaratinguetá e o Colégio Técnico Agrícola em Jaboticabal.

São Paulo, 21 de agosto de 2014 - No Intel Developer Forum 2014 (IDF), makers, fabricantes e criadores se reunirão para compartilhar ideias e escutar como a Intel os ajudará a criar a tecnologia que mudará o mundo. O evento deste ano é voltado para os makers participantes: suas oportunidades, criações e ideias, e os benefícios de se unir aos milhões de makers de todo o mundo que participam do ecossistema da arquitetura Intel.

O formato da conferência foi renovado este ano. O IDF14 contará com uma apresentação do CEO da Intel, Brian Krzanich e convidados especiais, seguido de dois dias de sessões de anúncios, chamadas de Mega Sessions, nas quais os executivos da Intel priorizarão as tendências e inovações tecnológicas. Além disso, os participantes contarão com três dias de sessões técnicas com especialistas da indústria e da Intel, demonstrações práticas e as maiores exposições tecnológicas da Intel.

Exibição: Mais de 180 das principais empresas de todo o mundo farão demonstrações práticas de suas mais recentes inovações e das futuras tecnologias na Exposição da Indústria Tecnológica no IDF.

Networking: O IDF oferece oportunidades para que a imprensa e os analistas falem pessoalmente com os especialistas da indústria e os engenheiros da Intel, que são responsáveis pelas tecnologias futuras. Sessões de Conversa, Trocas de Ideias Técnicas, Sessões de Leitura, Laboratórios Práticos darão aos participantes a oportunidade para que as perguntas técnicas sejam respondidas em um ambiente informal.

Data: 9 a 11 de setembro de 2014

Local: Moscone Center West, San Francisco (747 Howard St, San Francisco, CA 94103)

A lista de palestrantes inclui:

Dia 1:

Brian Krzanich, Chefe do Departamento Executivo da Intel, compartilhará a visão da companhia para o futuro e fornecerá atualizações sobre os avanços das tecnologias Intel.

Mega Sessions:

Dia 2:

Mega Sessions:

  • A Oportunidade Para o Data CenterDiane Bryant
  • A Reinvenção e a Inovação do PC – Áreas de Foco para os DesenvolvedoresKirk Skaugen

NOTÍCIAS EM DESTAQUE:

  • Os mais de 2,9 milhões de desenvolvedores Unity registrados podem escrever apps para Android para os processadores e a tecnologia gráfica da Intel
  • A experiência de usuário será melhorada e os app serão mais rápidos e com melhor desempenho.
  • A colaboração abrangerá uma ampla gama de atuais e futuros dispositivos Android baseados na Intel


SANTA CLARA, Califórnia, e SEATTLE, 21 de agosto de 2014 – A Intel Corporation e a Unity Technologies anunciaram hoje uma colaboração estratégica para melhorar o desenvolvimento de aplicativos baseados no Android* na arquitetura Intel®. O acordo acelera o impulso de mobilidade da Intel, já que os milhões de desenvolvedores que estão usando a plataforma de desenvolvimento da Unity agora podem trazer jogos e outros apps do Android para os dispositivos móveis com Intel Inside. A Unity adiciona suporte para o Android em todos os atuais e futuros processadores da Intel, incluindo as famílias de processadores Intel® Core™ e Intel® Atom™.

            A Unity garantirá melhorias aos produtos Intel, incluindo melhorias no desempenho e nos recursos gráficos e da CPU e será perfeitamente integrada aos futuros lançamentos das linhas de produtos Unity 4 e Unity 5. Como dispositivos com Intel continuam a conquistar uma fatia do mercado móvel, essas melhorias ajudarão a garantir que os jogos dos desenvolvedores da Unity rodem nativamente, além de assegurar o visual e o desempenho nas plataformas da Intel.

            “Temos o objetivo de fabricar 40 milhões de tablets com Intel Inside este ano e esperamos que mais de 100 modelos de tablets com Android cheguem ao mercado até o final deste ano”, disse Doug Fisher, vice-presidente corporativo da Intel e gerente geral do Grupo de Software e Serviços. “A nossa colaboração com a Unity permite que os 3 milhões de desenvolvedores possam usufruir de ferramentas de software e do suporte necessário para a criação experiências Android na arquitetura Intel”.

            “A Unity é usada por metade dos desenvolvedores de jogos móveis e muitos deles têm pedido por maior suporte para dispositivos Intel que rodam Android”, disse David Helgason, CEO da Unity Technologies. “Estamos orgulhosos por trabalhar com a Intel para garantir que a Unity forneça a experiência mais perfeita e com melhor desempenho possível nas plataformas da Intel”.

            Mais informações sobre o suporte da Unity à Intel estão disponíveis em www.intel.com/software/unity e em nosso blog.

  • Análises de big data e dados da computação vestível e de outras fontes oferecem potencial para melhorar o monitoramento e o tratamento do mal de Parkinson
  • A plataforma criada pela Intel para a análise de big data combina tecnologias de hardware e software para fornecer aos pesquisadores uma maneira mais precisa de acompanhar a progressão dos sintomas da doença

 

NEW YORK e SANTA CLARA, Califórnia (13 de agosto de 2014) – A Fundação Michael J. Fox, especializada em Pesquisa do Mal de Parkinson (MJFF, na sigla em inglês), e a Intel Corporation anunciaram hoje uma colaboração para melhorar a pesquisa e o tratamento para o mal de Parkinson – uma doença cerebral degenerativa que perde apenas para o Alzheimer em prevalência mundial. A colaboração inclui um estudo de pesquisa multifásico utilizando uma nova plataforma para a análise de big data que detecta padrões dos dados coletados dos participantes com a ajuda de tecnologias vestíveis usadas para monitorar os sintomas. Este esforço é um passo importante para permitir que pesquisadores e médicos possam medir a progressão da doença e acelerar o avanço das inovações para o desenvolvimento de medicamentos.

"Quase 200 anos após o mal de Parkinson ter sido descrito pela primeira vez pelo Dr. James Parkinson em 1817, ainda estamos avaliando a doença subjetivamente, em grande parte da mesma forma que era feita naquela época", disse Todd Sherer, PhD e CEO da The Michael J. Fox Foundation. "A ciência de dados, a computação vestível e dados de outras fontes têm o potencial de transformar a nossa capacidade de coletar e medir objetivamente a experiência real da doença nos pacientes, com implicações sem precedentes para o desenvolvimento de medicamentos, diagnóstico e tratamento para o Parkinson".

"A variação dos sintomas de Parkinson cria desafios únicos para monitorar a progressão da doença", disse Diane Bryant, vice-presidente sênior e gerente geral do Data Center Group da Intel. "As tecnologias emergentes podem não só criar um novo paradigma para a medição de Parkinson, mas também podem, à medida que mais dados são disponibilizados para a comunidade médica, destacar recursos atualmente não identificados da doença que podem levar a novas áreas de pesquisa."


Rastreando um Inimigo Invisível


Por praticamente duas décadas, os pesquisadores têm refinado as técnicas avançadas genômicas e proteômicas para criar perfis celulares cada vez mais sofisticados de patologia do mal de Parkinson. Os avanços na coleta e análise de dados fornecem agora a oportunidade de ampliar o valor dessa grande quantidade de dados moleculares, correlacionando-os com a caracterização clínica objetiva da doença para utilização no desenvolvimento de drogas.

O potencial para coletar e analisar dados de milhares de pessoas sobre as características mensuráveis ​​de Parkinson, tais como lentidão de movimentos, tremores e qualidade do sono, podem permitir que os investigadores criem um melhor quadro da progressão clínica do mal de Parkinson e acompanhem sua relação com alterações moleculares. Os vestíveis podem discretamente coletar e transmitir dados objetivos, experienciais em tempo real, 24 horas por dia, sete dias por semana. Com esta abordagem, os pesquisadores poderiam, ao invés de analisar um número muito pequeno de dados, ou os onerosos diários de pacientes feitos com papel e lápis esporadicamente, analisar centenas de leituras por segundo provenientes de milhares de pacientes e obter uma massa crítica de dados para detectar padrões e realizar novas descobertas.

A MJFF e a Intel iniciaram um estudo no início deste ano para avaliar a usabilidade e a precisão dos dispositivos portáteis para o rastreamento consentido das características fisiológicas dos participantes e da utilização de uma plataforma de análise de big data para coletar e analisar os dados. Os participantes (16 pacientes de Parkinson e nove voluntários de controle) usaram os dispositivos durante duas visitas à clínica e em casa de forma contínua ao longo de quatro dias.

Bret Parker, 46 anos, de Nova York, tem o Mal de Parkinson e participou do estudo. "Eu sei que muitos médicos dizem aos seus pacientes para manter um diário para acompanhar o seu mal de Parkinson", disse Parker. "Eu não sou um paciente que faz isso. Eu presto atenção ao meu Parkinson, mas não é tudo que eu faço o tempo todo. Os vestíveis fazem este monitoramento para mim de uma forma que eu nem percebo, e o estudo me permitiu ter um papel ativo no processo de desenvolvimento de uma cura."

Os cientistas de dados da Intel já estão correlacionando os dados coletados com observações clínicas e diários de pacientes para avaliar a precisão dos dispositivos, e estão desenvolvendo algoritmos para medir os sintomas e a progressão da doença.

Ainda este ano, a Intel e a MJFF planejam lançar um novo aplicativo móvel para permitir que os pacientes relatem a ingestão de medicamentos, bem como a forma como eles estão se sentindo. O esforço é parte da próxima fase do estudo para permitir que os pesquisadores médicos estudem os efeitos dos medicamentos nos sintomas motores por meio das alterações detectadas nos dados dos sensores dos dispositivos portáteis.


Coletando, Armazenando e Analisando os Dados


Para analisar o volume de dados - mais de 300 observações por segundo de cada paciente - a Intel desenvolveu uma plataforma de análise de big data que integra um conjunto de componentes de software, incluindo a Cloudera® CDH* - uma plataforma de software de código aberto que coleta, armazena e gerencia dados. A plataforma de dados é implantada em uma infraestrutura de nuvem otimizada para a arquitetura Intel ®, permitindo que os cientistas priorizem a pesquisa, ao invés das tecnologias computacionais subjacentes. A plataforma suporta uma aplicação analítica desenvolvida pela Intel para processar e detectar alterações nos dados em tempo real. Por meio da detecção de anomalias e mudanças nos sensores e em outros dados, a plataforma pode fornecer aos pesquisadores uma maneira para avaliar a progressão da doença objetivamente.

Em um futuro próximo, a plataforma poderia armazenar outros tipos de dados, como dos pacientes, genoma e dados de ensaios clínicos. Além disso, a plataforma pode permitir que outras técnicas avançadas, tais como o aprendizado de máquinas e a análise de gráficos, forneçam modelos preditivos mais precisos que os pesquisadores poderiam usar para detectar mudanças nos sintomas da doença. Estes avanços poderiam fornecer informações sem precedentes sobre a natureza do mal de Parkinson, ajudando os cientistas a avaliarem a eficácia de novos medicamentos e médicos assistentes nas decisões sobre os prognósticos.


Compromisso Compartilhado para Acesso Aberto aos Dados


A MJFF e a Intel compartilham o compromisso de aumentar a taxa de progresso possível graças a um acesso aberto aos dados. As organizações visam compartilhar dados com a comunidade de médicos e investigadores de Parkinson, além de convidá-los para apresentar seus próprios dados de pacientes anônimos e outros relacionados ao tema para análise. As equipes também podem optar por contribuir com dados de pacientes anônimos para inclusão em estudos mais abrangentes de escala da população.

A Fundação disponibilizou anteriormente dados anônimos e bioamostras de seus estudos patrocinados para pesquisadores qualificados, incluindo os de indivíduos com uma mutação implicada ao Parkinson em seu gene LRRK2. A MJFF também abriu o acesso aos recursos de seu estudo, considerado um marco, de biomarcadores da Iniciativa de Marcadores da Progressão do Parkinson (PPMI, na sigla em inglês) desde seu lançamento em 2010. Os cientistas de Parkinson de todo o mundo baixaram os dados da PPMI mais de 235 mil vezes até agora.


Sobre The Michael J. Fox Foundation para a Pesquisa do Parkinson


Como a maior financiadora sem fins lucrativos do mundo para a pesquisa de Parkinson, The Michael J. Fox Foundation é dedicada a acelerar a cura para o mal de Parkinson e as melhores terapias para aqueles que atualmente vivem com a doença. A Fundação persegue seus objetivos por meio de um programa de pesquisa financiado de forma agressiva e altamente segmentado, juntamente com o engajamento global ativo de cientistas, pacientes de Parkinson, líderes empresariais, participantes de ensaios clínicos, doadores e voluntários. Além de financiar mais de US$ 450 milhões em pesquisas até o momento, a Fundação alterou de forma decisiva a trajetória do avanço rumo a uma cura. Operando no centro da pesquisa mundial de Parkinson, a Fundação forja colaborações inovadoras com líderes da indústria, cientistas acadêmicos e financiadores de pesquisas governamentais; aumenta o fluxo de participantes em ensaios clínicos do mal de Parkinson com sua ferramenta online, Fox Trial Finder; promove a conscientização sobre o mal de Parkinson por meio da advocacia, de eventos e da divulgação de alta qualidade; e coordena o envolvimento de milhares de membros do Team Fox em todo o mundo.

Para mais informações, visite-nos na Web, Facebook, Twitter, LinkedIn e Pinterest.

SANTA CLARA, Califórnia, 11 de agosto de 2014 – A Intel divulgou detalhes da sua mais nova microarquitetura que é otimizada com o processo de manufatura líder da indústria de 14nm. Juntas, essas tecnologias fornecerão alto desempenho e baixo consumo de energia para atender uma ampla gama de necessidades computacionais e produtos de infraestrutura da computação em nuvem e da Internet das Coisas para computação pessoal e móvel.

Pontos Chave:

  • A Intel revelou detalhes da microarquitetura do processador Intel® Core M, o primeiro produto fabricado usando o processo de 14nm;
  • A combinação da nova microarquitetura com o processo de manufatura inaugurará uma onda de inovação em formatos, experiências e sistemas mais finos e que funcionam de forma silenciosa e sem esquentar;
  • Os arquitetos e projetistas de chips da Intel alcançaram uma redução maior do que duas vezes no TDP (thermal design point) em comparação com a geração anterior do processador, ao mesmo tempo em que fornece desempenho similar e maior duração da bateria;
  • A nova microarquitetura foi otimizada para aproveitar as novas capacidades do processo de manufatura de 14nm;
  • Intel concebeu a primeira tecnologia de 14nm do mundo em volume de produção. Ela utiliza a segunda geração de transistores Tri-gate (FinFET) com desempenho, consumo de energia, densidade e custo por transistor líderes da indústria;
  • A tecnologia de 14nm da Intel será usada para fabricar uma ampla gama de produtos de alto desempenho e baixo consumo, incluindo servidores, dispositivos para a computação pessoal e a Internet das Coisas;
  • Os primeiros sistemas baseados no processador Intel® Core™ M estarão nas prateleiras para a temporada de fim de ano, seguidos pela ampla disponibilidade de OEMs no primeiro semestre de 2015;
  • Outros produtos baseados na microarquitetura Broadwell e na tecnologia de 14nm serão lançados ao longo dos próximos meses;
  • Para mais informações, incluindo imagens, visite: http://newsroom.intel.com/docs/DOC-5677

“O modelo integrado da Intel – a combinação da nossa experiência em design com o melhor processo de manufatura – possibilita o fornecimento do melhor desempenho e do menor consumo de energia para nossos clientes e consumidores”, disse Rani Borkar, vice-presidente e gerente geral de desenvolvimento de produtos da Intel. “Esta nova microarquitetura é mais do que uma notável conquista técnica. É uma demonstração da importância da nossa filosofia de design de fora para dentro, que combina nosso design com as necessidades dos clientes”.

"A tecnologia de 14 nanômetros da Intel utiliza a segunda geração de transistores Tri-gate para fornecer desempenho, consumo de energia, densidade e custo por transistor líderes da indústria", disse Mark Bohr, Intel Senior Fellow do Grupo de Tecnologia e Manufatura e diretor de Arquitetura de Processos e Integração. "Os investimentos e o compromisso da Intel com a lei de Moore está no coração do que as nossas equipes têm sido capazes de alcançar com este novo processo."

Promoção “Pacote de Software Intel” possibilita o download gratuito de apps infantis, revistas jogos e edição de imagem e vídeo,

SÃO PAULO, 11 de agosto de 2014 – A Intel, em parceria com grandes varejistas, lança uma campanha promocional para consumidores de todo o país que comprarem PCs ou tablets com Intel Inside. Na compra de computadores equipados com processador Core i3, i5, i7 ou de qualquer tablet com processador Intel, o comprador ganha um pacote de softwares selecionados e compatíveis com o seu novo dispositivo no valor de até R$ 963,30.

 

A campanha, que já está valendo nas compras online realizadas nos varejistas parceiros, irá acontecer até outubro desse ano. Entre os participantes da promoção estão: Americanas.com, Submarino, Shoptime, MagazineLuiza.com.br, Wallmart.com, Dell.com.br, Pontofrio.com, Fast Shop, Ricardoeletro.com e Insinuante.  Ao participar da promoção cada consumidor deve receber por e-mail um único código de acordo com o produto comprado, que dá acesso ao link para o download do pacote.

 

Dentro do pacote, são oferecidos diversos aplicativos e programas para todos os gostos: jogos, assinaturas de revistas digitais, softwares de segurança, edição de vídeo e música e até programas destinados para as crianças.

 

Confira abaixo a seleção para cada produto:

Core i3

MAGIX Movie Edit Touch 2

MAGIX Music Maker Jam

GRID 2

World of Tanks

TeamViewer

ooVoo

Star Chart

McAfee LiveSafe

Revistas Editora Abril via IBA

Galinha Pintadinha

Core i5 & i7

MAGIX Movie Edit Pro 2014

MAGIX Music Maker 2014

MAGIX Movie Edit Touch 2

MAGIX Music Maker Jam

GRID

World of Tanks

TeamViewer

ooVoo

Star Chart

McAfee LiveSafe

Revistas Editora Abril via IBA

Galinha Pintadinha

Tablets

MAGIX Movie Edit Touch 2

MAGIX Music Maker Jam

GRID 2

TeamViewer

ooVoo

Star Chart

McAfee Mobile Security

GT Racing 2

Football App

Revistas Editora Abril via IBA

Play Kids

São Paulo, 07 de agosto de 2014 – O dia dos pais está se aproximando e considerando o rápido crescimento das plataformas móveis na América Latina – 51% da população na região consume conteúdo usando internet móvel – os dispositivos que oferecem mais mobilidade têm crescido na preferência do público masculino. Num recente levantamento encomendado ao Instituto Ipsos, a Intel identificou que os tablets estão entre seus eletrônicos preferidos. De fato, 38% dos entrevistados disseram que pretendem adquirir um modelo no segundo semestre de 2014. Em seguida aparecem os notebooks (33%) e os ultrabooks (24%).

O preço (50%) e a performance do dispositivo (36%) são os principais motivos para a escolha do tablet, segundo os entrevistados. Para eles, um tablet é importante para trabalhar e ser mais produtivo (45%), por que facilita a vida (40%) e também por que os mantem atualizados com a tecnologia mais moderna (39%). Apesar disso, o computador pessoal ainda tem papel central na vida digital da maioria dos brasileiros entrevistados, que o utilizam para trabalho e estudo.

“Cada pessoa tem uma razão especial para usar um dispositivo eletrônico, então é preciso saber qual equipamento se adequa melhor ao perfil do seu pai”, afirma Carlos Augusto Buarque, Gerente de Marketing de Consumo da Intel Brasil. “Mas há características básicas como o desempenho, a administração de energia e o tamanho de tela que não se pode deixar de lado na hora da escolha, e evitar desgastes futuros”.

Para escolher o equipamento ideal para cada tipo de pai é importante saber para qual finalidade ele vai ser utilizado. Será somente para navegar na Internet e acessar redes sociais? Vai dar suporte às atividades do trabalho? Ele gosta de assistir a filmes e ouvir música com qualidade? Essas perguntas são fundamentais para optar pelo presente, já que existem várias faixas de preços no mercado brasileiro.

Para os mais experientes e acostumados a usar o PC, gerenciando vários arquivos ao mesmo tempo, os tablets podem não ser a melhor escolha, pois não entregam a mesma experiência de um computador convencional. Inspirados pelo uso atividades simultâneas, a última geração dos dispositivos 2-em-1, permite uma experiência semelhante à do PC. Esses dispositivos reúnem a mobilidade dos tablets com o desempenho e praticidade dos notebooks, sendo a melhor escolha para uma experiência completa de produtividade e entretenimento.

 

Três características básicas para escolher um dispositivo eletrônico

Velocidade do processador: É fundamental avaliar qual o processador roda em dispositivo antes de comprá-lo. O processador será o responsável pelo desempenho. Para ver filmes, seriados, novelas, e até para realizar tarefas com arquivos pesados, como fotografias, o ideal é optar por um processador mais rápido, que vai garantir uma vida mais longa à bateria ao mesmo tempo em que vai te oferecer velocidade na hora de executá-las.

Duração de bateria: A bateria é fator determinante para algumas pessoas. Se o objetivo for mobilidade, é importante perguntar ao vendedor sobre a duração da bateria, principalmente se estiver rodando programas pesados, como filme, música, TV.

Tela: O tamanho da tela vai variar de acordo com a preferência do comprador. Mas é bom frisar que crianças e adultos tendem a preferir telas maiores. Para jogos que precisam de alto desempenho, o ideal é optar por um dispositivo que tenha a melhor resolução de imagem.

A plataforma de troca de tempo Bliive é destaque no desafio sul-americano junto com projetos do Chile e Argentina; empresa vai se apresentar em competição global de empreendedorismo


São Paulo, 05 de agosto de 2014 – A Startup brasileira Bliive conquistou o terceiro lugar, entre 12 projetos, do Desafio Intel América Latina, competição que estimula o empreendedorismo, impulsionando a criação de projetos de negócios tecnológicos entre jovens universitários da região. Escolhida por um grupo de especialistas em empreendedorismo com base no Vale do Silício, a Bliive será uma das empresas representantes da América Latina, junto projetos do Chile e da Argentina, no Intel Global Challenge 2014, evento que será realizado em Berkeley, Califórnia (EUA), em novembro.

A Bliive é uma rede social criada por quatro brasileiros, que tem o ‘tempo’ como moeda de troca. O objetivo é usar talentos para criar uma economia colaborativa e incentivar usuários a compartilhar experiências com seus amigos e comunidades. Os usuários oferecem serviços em troca de créditos (moeda) dentro da rede social, que servem para contratar novos serviços oferecidos por diferentes usuários.

A rede foi lançada em 2013 e tem hoje cerca de 30 mil usuários. Para os fundadores, todas as atividades dentro da startup são iguais e o uso do tempo como medida ajuda a horizontalizar os serviços oferecidos. Há uma variedade de propostas, que vai desde aulas de música a lições de língua estrangeira, até fazer companhia em uma festa ou uma hora de ombro amigo.

O primeiro lugar foi entregue para o projeto chileno, chamado “Lab4U”, que desenvolveu tecnologias que usam dispositivos móveis (celulares, tablets) como instrumentos científicos, dando uma nova abordagem e um preço acessível para a educação científica. Classificado em segundo lugar ficou o projeto “InnoBBar”, da Argentina, que desenvolveu um sistema que utiliza um sensor óptico capaz de detectar com alta precisão e velocidade as ervas daninhas indesejáveis nas colheitas, enquanto adquire dados do estado da colheita. Todas estas tarefas são feitas com um sistema único, econômico e fácil de instalar.

O Desafio Intel é uma competição global voltada para empreendedores em nível universitário que visa estimular o desenvolvimento do ecossistema empreendedor no Brasil, impulsionando a criação de projetos de negócios tecnológicos nas universidades. Nove edições do Desafio já foram realizadas no Brasil.

* Por Bruno Domingues, da Intel


São Paulo, 04 de agosto de 2014 – O mundo está mudando rapidamente ao nosso redor. Muitos dos serviços que eram executados sem a ajuda de computadores agora são realizados por dispositivos computacionais e servidores. Diversas indústrias e serviços como compras, entretenimento e educação, entre outros, mudaram por completo. O que levou um século para se estabelecer, teve que ser reprojetado em menos de uma década para atender as novas necessidades.

            Por exemplo, os serviços de telefonia se transformaram e mudaram a forma com que nos comunicamos. Existem diversos aplicativos que facilitam a comunicação entre as pessoas, tanto de apps para chamadas quanto para mensagens. E isso é apenas uma parte. Hoje podemos dizer que existe um aplicativo para cada coisa que precisamos, seja para pegar um taxi, pedir comida em um restaurante ou ler um livro. Por trás de tarefas rotineiras não relacionadas diretamente com a computação, agora existem servidores que comandam esses processos.

            Atualmente, estamos na era dos dados do processamento de dados intensivos; é o início da terceira revolução industrial e um novo roteiro econômico está sendo escrito. Cada serviço e aplicativo que usamos não só consome recursos computacionais, mas também utiliza servidores da nuvem e novos recursos, como a API (Interface de Programação de Aplicativos, na sua sigla em inglês).

            Os APIs são exemplos de como a era digital está mudando rapidamente. Há quase 20 anos, as empresas se perguntavam se era importante ter um site na web; 5 anos depois, nos anos 2000, já estava claro que para competir no mercado as empresas precisavam estar na Internet. O mesmo ocorreu há quase 5 anos com os aplicativos. Cerca de 66% dos desenvolvedores atualmente utilizam o API e o armazenamento em nuvem.

            A API, em seu nível mais básico, permite que produtos e serviços conversem com outros produtos e serviços. Uma API é um software que expõe a funcionalidade de um sistema subjacente para que outros aplicativos possam se integrar ao sistema e aproveitar as suas capacidades. Agora as empresas também consomem suas próprias APIs para criar sistemas internos, sites e aplicativos móveis. As APIs permitem novos tipos de relações, o que torna a web mais social. Podem ser utilizados para o comércio, pagamentos, redes sociais, a computação em nuvem e muito mais. Em 2013, os telefones móveis e tablets foram a maior força motriz para o consumo de APIs.

            Atualmente e ao longo dos próximos anos, ter uma API em seu negócio será essencial e obrigatório, ou as empresas não serão capazes de competir neste novo cenário mundial. Novos modelos de negócios de dados móveis facilitam a utilização da rede, bem como o aumento das receitas descendentes e ascendentes. O mercado de API crescerá a uma taxa composta anual de 37% entre 2012 e 2016, o que representa US$ 75 bilhões nas receitas globais até o final de 2016.

            Isso se deve ao aumento da utilização da Internet por pessoas e pela Internet das Coisas. Uma grande vantagem das APIs é que a Internet das Coisas permite que os dados gerados possam subir na nuvem usando uma programação direta entre máquina a máquinas. Segundo um levantamento da Intel, o número de usuários da Internet na América Latina duplicou em dois anos e a tendência é o aumento do número de pessoas conectadas na região. O Brasil é o mercado de maior destaque, já que deve atingir 168 milhões de pessoas conectadas ainda em 2014, o que significa um aumento de 85 milhões em relação a 2012. As previsões da indústria tecnológica indicam um impacto de 15 bilhões de dispositivos conectados e mais 3 bilhões de usuários online até 2015. É esperado um aumento anual de 33% no número de tráfego IP global nos data centers em 2015.

            Além disso, de 2012 a 2020 a quantidade de dados armazenados será duplicada a cada dois anos, chegando a 40ZB. O acesso sob demanda a esta quantidade de dados para tarefas como o Big Data, requerem uma computação mais inteligente e soluções de armazenamento de alto desempenho, bem como uma redução dramática no custo do armazenamento por terabyte.

            Os dados oferecem a oportunidade de proporcionar uma nova e empolgante perspectiva, mas não se pode fazer isto até que a infraestrutura de análises esteja em melhores condições para superar a brecha que existe entre os dados e o processamento. Atualmente, o problema com as plataformas de análises é que elas se baseiam em grande parte na tecnologia que colocam os dados em grandes sistemas de armazenamento longe de onde são processados, representando assim um obstáculo para processamento de grandes volumes de dados de forma rápida e eficiente.

            A Intel tem como objetivo conectar todas estas peças à cadeia de valor para estimular novas formas de crescimento dinâmico. No final da cadeia estão os usuários finais que recebem o benefício do ativo empresarial.

* Bruno Domingues é Arquiteto Principal da Intel

Filter News Archive

By date:
By tag: